Durante a gravidez as necessidades de micronutrientes estão na sua generalidade aumentadas, essencialmente para assegurar a correta formação e desenvolvimento do feto.

À luz da evidência científica, iremos falar acerca da importância da suplementação de 3 vitaminas e minerais específicos, micronutrientes essenciais na gravidez por forma a prevenir possíveis défices e, consequentemente, reduzir possíveis complicações.

3 Micronutrientes essenciais à gravidez:

1. Ácido Fólico

O folato, também conhecido como vitamina B9, desempenha um papel essencial na prevenção do desenvolvimento de malformações do tubo neural do bebé, que deverá estar formado ao 28º dia da gestação.

Esta vitamina pode ser encontrada em maiores quantidades em alimentos como flocos de cereais integrais, leguminosas e hortícolas de folha verde entre outros, mas ainda assim a suplementação torna-se necessária na maior parte dos casos.

Durante a gravidez as necessidades de folato estão aumentadas por ser um período em que há uma grande taxa de crescimento fetal, da placenta e outros tecidos celulares.

Assim, é importante manter um aporte adequado desta vitamina desde a pré-concepção, durante a gravidez e no período pós-gravidez.

A suplementação normalmente inicia-se antes da concepção, quando possível, e mantém-se durante alguns meses, normalmente três meses, após a gravidez.

Esta é feita com ácido fólico, a forma sintética do folato, que se tem revelado extremamente importante para prevenir possíveis défices de folato na grávida.

Um défice dos níveis de folato durante a gravidez e na fase que a antecede pode ter consequências a nível do desenvolvimento cognitivo do bebé e do seu crescimento.

As recomendações sugerem a toma de suplementação diária que forneça 400 – 600 mcg de folato.

frutas-e-legumes-ricos-em-acido-folico

2. Iodo

O iodo é um micronutriente importante para a produção das hormonas da tiróide, envolvidas em vários processos metabólicos, de desenvolvimento e crescimento.

Durante a gravidez e o aleitamento materno, as necessidades de iodo estão aumentadas e a adequação dos seus valores é muito importante, tanto para para a saúde da mãe, como para o correto desenvolvimento do feto, que depende do iodo proveniente da mãe para conseguir produzir as suas hormonas tiroideias.

A deficiência em iodo poderá resultar em:

  • Hipotiroidismo;
  • Atraso no desenvolvimento cognitivo do bebé;
  • Aumento do risco de aborto e mortalidade prematura.

Alguns alimentos como os peixes, crustáceos e algas são os mais ricos neste micronutriente. Ainda assim, as recomendações da Organização Mundial de Saúde sugerem que as grávidas e as mães a amamentar, devem ingerir suplementação diária que forneça cerca de 250 mcg de iodo, desde a pré-concepção até que termine o aleitamento materno exclusivo.

beterraba-rica-em-ferro

3. Ferro

As necessidades de ferro estão duas vezes mais aumentadas durante a gravidez. Sendo a mãe responsável por fornecer as quantidades adequadas ao feto – quer para o seu correto desenvolvimento, quer para o crescimento da placenta – há um aumento das necessidades em cerca de 30 mg/ dia durante este período.

Ao manter os valores de ferro adequados ao longo da gravidez há a redução do risco do desenvolvimento de doenças como a anemia gestacional e algumas infecções, promove-se a saúde do feto e fornece-se níveis de ferro suficientes ao bebé para a vida pós-parto.

Este micronutriente poderá ser encontrado em quantidades mais elevadas em alimentos de origem animal (fígado e vísceras), leguminosas (grão de soja, grão de bico e feijão) e, ainda, alguns hortícolas como os de folha verde escura (espinafres, brócolos, e couves) e a beterraba.

A suplementação diária de ferro de 30 mg parece ser a dose mínima necessária durante a gravidez, sendo por vezes recomendada a toma de 60 mg nos países com elevada prevalência de anemia gestacional.

Powered by Prozis

CONHEÇA O NOVO ESPAÇO GRÁVIDAS
Marque as suas análises com todo o conforto

Marcar Análises

+ Fontes

  1. Naninck, E. F. G., Stijger, P. C., & Brouwer-Brolsma, E. M. (2019). The Importance of Maternal Folate Status for Brain Development and Function of Offspring. Advances in Nutrition.
  2. Chitayat, D., Matsui, D., Amitai, Y., Kennedy, D., Vohra, S., Rieder, M., & Koren, G. (2015). Folic acid supplementation for pregnant women and those planning pregnancy: 2015 update. The Journal of Clinical Pharmacology, 56(2), 170–175.
  3. World Health Organization. Daily iron and folic acid supplementation in pregnant women – Guideline. 2012
  4. Zhao, W., Li, X., Xia, X., Gao, Z., & Han, C. (2018). Iodine Nutrition During Pregnancy: Past, Present, and Future. Biological Trace Element Research.
  5. Harding, K. B., Peña-Rosas, J. P., Webster, A. C., Yap, C. M., Payne, B. A., Ota, E., & De-Regil, L. M. (2017). Iodine supplementation for women during the preconception, pregnancy and postpartum period. Cochrane Database of Systematic Reviews.
  6. Georgieff, M. K., Krebs, N. F., & Cusick, S. E. (2019). The Benefits and Risks of Iron Supplementation in Pregnancy and Childhood. Annual Review of Nutrition, 39(1).
Mafalda Ferreira Cunha Autor Mafalda Ferreira Cunha

Nutricionista (CP 4001N) na equipa Prozis Partners. Licenciada em Ciências da Nutrição pela Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto (FCNAUP)