O hipotiroidismo pode estar associado a dificuldade de perda de peso pois, com a baixa produção de hormonas, o organismo fica mais lento.

O hipotiroidismo é uma doença que resulta de uma produção insuficiente ou mesmo nula de hormonas tiroideias pela glândula tiroide.

Estas hormonas são muito importantes em todas as fases da vida, desde a formação dos órgãos fetais (principalmente o cérebro), o crescimento, o desenvolvimento, a fertilidade e a reprodução, até à qualidade de vida na velhice.

Tem atuação nos batimentos cardíacos, sono, raciocínio, memória, temperatura do corpo, funcionamento intestinal e metabolismo.

Quais as causas do hipotiroidismo?

As causas mais frequentes são:

  • A remoção cirúrgica, parcial ou total, da tiroide;
  • Doenças inflamatórias ou imunológicas de que são exemplo as tiroidites;
  • O tratamento com iodo radioativo;
  • Certos medicamentos receitados para tratamento da depressão e de arritmias cardíacas;
  • A falta da hormona TSH, que surge em certas doenças cerebrais, é uma das causas raras de hipotiroidismo.

Todas estas causas provocam diminuição das hormonas tiroideias: ou porque a glândula foi retirada por tratamento cirúrgico, ou porque foi danificada (lesada), com consequente incapacidade funcional; ou porque há bloqueio da produção das hormonas tiroideias na glândula ou da sua libertação para o sangue; e, finalmente, porque a tiroide deixou de ser estimulada por falta de TSH (1).

hipotiroidismo garganta

Sintomas do hipotiroidismo

As hormonas tiroideias são fundamentais para o normal funcionamento do nosso corpo (1).

Os sintomas não são específicos da doença e podem ser muito diversos:

  • Cansaço e sonolência;
  • Cabelo seco e queda de cabelo;
  • Pele pálida e rugosa;
  • Dificuldade em tolerar o frio;
  • Dores ou cãibras musculares;
  • Dificuldade de concentração ou memorização;
  • Depressão;
  • Aumento de peso;
  • Irregularidades menstruais;
  • Diminuição da fertilidade;
  • Diminuição da capacidade para o trabalho;
  • Obstipação (prisão de ventre);
  • Falência do coração (insuficiência cardíaca) e mesmo coma, em situações mais graves.
hipotiroidismo-aumento-de-peso-balanca

Como é que o hipotiroidismo dificulta o emagrecimento?

As hormonas da tiroide, as famosas T3 e T4, são como o pedal do acelerador de um carro: em excesso ou em falta, respetivamente, aceleram ou desaceleram o metabolismo, as reações químicas que acontecem no interior das células para gerar energia. Em situações de desequilíbrio, os sintomas manifestam-se (2).

O cansaço e a sonolência acabam por reduzir as atividades do dia a dia e, por consequência, o gasto de calorias, levando a um aumento de peso.

O metabolismo mais lento, também leva à acumulação de energia e à retenção de líquidos pelo organismo.

Aliada a uma dieta inadequada e à falta de exercício físico, a tiroide pode causar um aumento de peso de até 5 kg, principalmente em mulheres que não estão a ser tratadas ou com um tratamento incorreto.

Com o tratamento adequado e hábitos de vida saudáveis, o peso pode retornar ao normal.

Diagnóstico do hipotiroidismo

A confirmação do diagnóstico faz-se por análise da TSH e da tiroxina (T4) no sangue. Habitualmente a TSH está aumentada e a T4 Livre.
No hipotiroidismo subclínico no qual não existe a presença de sintomas, o valor da TSH encontra-se aumentado, mas a tiroxina tem um valor normal. Há, contudo, situações em que é necessário recorrer a outros exames além dos referidos para se esclarecer a causa da doença.

FAÇA UMA ANÁLISE À TSH
Encontre a Unidade mais perto de si.

Pesquisar

Veja em que situações deve ficar atento e desconfiar de hipotiroidismo (2):

  • Mulheres com mais de 40 anos e homens com mais de 60 anos (o hipotiroidismo é mais comum entre as mulheres, e é mais frequente com o avançar da idade, embora também possa aparecer nas crianças);
  • Mulheres no período pós-parto (até aproximadamente seis meses);
  • Antecedente de outras doenças da tiroide (hipertiroidismo, tireoidite);
  • História de radioterapia na região do pescoço;
  • Uso de medicamentos que podem interferir na tiroide (lítio, amiodarona, etc);
  • Depressão refratária a tratamento, síndrome do pânico;
  • Antecedente familiar de doença da tiroide ou de doença autoimune (a causa mais comum do hipotireoidismo é a tiroidite de Hashimoto, uma doença familiar em que a pessoa fabrica anticorpos contra sua própria tiroide, fazendo com que, aos poucos, ela deixe de fabricar as suas hormonas);
  • Perda de massa óssea (osteopenia, osteoporose), aumento do colesterol, e todos os outros sintomas e sinais já descritos acima.
exame-hipotiroidismo

 Tratamento do hipotiroidismo

O tratamento do hipotiroidismo faz-se utilizando comprimidos de tri-iodotironina (T3) ou de tiroxina (T4), sendo esta última a preferida, uma vez que consiste em apenas uma toma diária.
Por vezes, o hipotiroidismo é transitório e apenas nesses casos o tratamento não será feito para toda a vida.
A dose de medicação recomendada varia de pessoa para pessoa ao longo da vida, pelo que deverá ser receitada periodicamente por um endocrinologista e suportado pelo resultado das análises clínicas.
Durante a gravidez, por exemplo, as doses têm de ser aumentadas frequentemente. A prescrição de doses superiores ou inferiores às necessárias têm inconvenientes para a saúde (2).

Quando deve procurar um médico?

Ao observar algum dos sintomas descritos, deve sempre procurar o médico.
Muitas vezes, as alterações na tiroide são confundidas com depressão, preguiça e desânimo.
O tratamento correto permite retomar uma vida normal sem o aparecimento dos sintomas associados à doença.

+ Fontes

  1. Sociedade Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo . Grupo de estudo da tiroide. Disponível em http://www.spedm.pt/grupo-de-estudo-da-tiroide/hipotiroidismo/
  2. Universidade de São Paulo. A Tiroide e a obesidade. https://social.stoa.usp.br/aneteha/blog/a-tireoide-e-a-obesidade-23516
Unilabs Autor Unilabs

Presente em Portugal desde 2006, a Unilabs é líder nacional em Diagnóstico Clínico, com mais de 1000 Unidades de atendimento ao seu dispor. Serviços: Análises Clínicas, Cardiologia, Anatomia Patológica, Radiologia, Genética Médica, Medicina Nuclear, Gastrenterologia.