O cancro da mama é o tipo de cancro mais comum entre as mulheres e o seu diagnóstico precoce é essencial para aumentar as hipóteses de cura.

No dia 30 de outubro celebra-se uma efeméride importante, relacionada com o cancro da mama: o Dia Nacional de Luta contra o Cancro da Mama. Esta data é celebrada anualmente com o objetivo de promover a consciencialização da população para a prevenção e diagnóstico precoce do cancro da mama.

De acordo com a DGS, anualmente são detetados cerca de 4500 novos casos de cancro da mama e 1500 mulheres morrem com esta doença. Uma em cada 8-9 mulheres vai ser afetada pela doença.

A abordagem da doença deve seguir a boa prática médica e a evidência científica atualizada, apresentando-se em seguida alguma informação sobre rastreio, diagnóstico e tratamento.

Cancro da mama: fatores de risco

  1. Idade: a probabilidade da doença aumenta com a idade, sendo mais comum depois da menopausa;
  2. História familiar: o risco é maior no caso de familiares com cancro da mama prévio, sobretudo se se trata de um familiar em primeiro grau.
  3. Fatores genéticos: certos genes predispõem para a doença, sobretudo o BRCA1 e 2.
  4. Terapêutica hormonal de substituição: maior risco nas mulheres que fazem terapêutica hormonal de substituição para a menopausa continuamente durante 5 anos ou mais.

Estudos apontam também para maior risco de cancro da mama em mulheres sedentárias e com obesidade pós-menopausa.

Existem, portanto, fatores genéticos, hereditários e comportamentais que obrigam a um acompanhamento mais precoce e rigoroso.

Médico a analisar resultados de mamografia

Abordagem clínica e sinais de alarme

O processo inicia-se pela abordagem clínica, através do auto-exame mamário mensal e o exame físico regular pelo médico assistente.

São sinais de alarme a justificar avaliação imagiológica adicional:

  • Nódulo palpável;
  • Retração da pele;
  • Escorrência mamilar sanguinolenta;
  • Eczema mamilar.

Exames imagiológicos

Não existem ainda processos eficientes de prevenir o cancro da mama pelo que o seu diagnóstico precoce assume uma importância primordial.

  1. Exames de rastreio: para deteção precoce de lesões assintomáticas, não palpáveis, em geral dos 40-50 aos 70-75 anos dependendo do programa nacional/regional de rastreio, existindo variabilidade no escalão dos 40 aos 50 anos e depois dos 70 anos – consistem na mamografia de 2 em 2 anos.
  2. Exames de diagnóstico: para deteção de lesões que provoquem sintomas. Os exames (mamografia e/ou ecografia) são realizados sempre que surja um sintoma.

Mulher a fazer mamografia

Tipos de exames

1. Mamografia

Permanece a técnica de eleição para deteção imagiológica do cancro da mama. Existe contudo uma percentagem significativa de lesões que não têm tradução mamográfica.

2. Ecografia

É exame de primeira linha nas mulheres jovens em que a mamografia não está indicada devido à sua baixa acuidade. A ecografia é também o exame de complemento da mamografia quer em situações de mamas densas de difícil avaliação quer na caraterização adicional das lesões detetadas na mamografia.

3. Ressonância magnética

A ressonância magnética é muito sensível para o diagnóstico de cancro da mama, utilizada em casos de alto risco com neoplasia oculta e para avaliar a extensão da lesão primária e a doença multifocal.

Estas modalidades servem também para orientação guiada por imagem dos procedimentos de biópsia para colheita de material da lesão e sua caracterização, o que vai permitir o planeamento adequado da abordagem terapêutica.

Existem outras técnicas em implementação, destacando-se a tomossíntese e a elastografia mamária.

Tratamento

O tratamento do cancro da mama tem evoluído enormemente nos últimos anos, com a introdução de abordagens menos invasivas, nomeadamente a biópsia do gânglio sentinela e a cirurgia conservadora e os avanços na quimioterapia, radioterapia e hormonoterapia.

A maior parte das mulheres com cancro da mama poderão ser curadas se as lesões forem diagnosticadas numa fase inicial e adequadamente tratadas.

Com o diagnóstico precoce poderá reduzir-se também a necessidade de tratamentos mais agressivos e mutilantes.

Mulher a mostrar laço cor-de-rosa da prevenção do cancro da mama

O testemunho de uma paciente, a Maria

No Dia Nacional de Prevenção do Cancro da Mama, damos-lhe a conhecer o testemunho da Maria. A Maria procurou a Unilabs em dezembro de 2019 para um exame de rotina, foi nesse exame que tudo começou.

“Sempre lidei de perto com o Cancro da Mama, perdi a minha mãe para a doença. Por isso, sabia que tinha de apostar na Prevenção sobretudo porque tinha um nódulo mamário que, apesar de não ter importância, sempre me manteve vigilante.

A 11 de Dezembro de 2019 fiz um exame rotineiro. Escolhi o laboratório da Unilabs, que já em 2012 tinha confiado para fazer os meus exames.
Fui acompanhada pela mesma médica, a Dra. Luísa Reis que me tinha detetado o nódulo mamário em 2012 e que se lembrava de mim, apesar de não ter levado os meus exames anteriores.

O exame estava a terminar, quando algo chamou a atenção à médica. O seu cuidado minucioso fê-la voltar a repetir a imagem e confirmou-se. Havia algo pequeno, mas diferente que precisava de ser averiguado.

Foi graças a esta atenção e diagnóstico preciso que conseguiram detetar o meu cancro numa fase muito inicial. Passados 6 meses, e depois de uma fase tão complicada, de passar por todo o processo em plena pandemia, tudo correu bem!

Agradeço a todos os intervenientes diretos e indiretos em todo este meu caminho. Desejo a todas as mulheres um percurso tão suave como o meu.
Apelo a todas para que não adiem, não fujam. Enfrentem os exames de rotina, é através de um diagnóstico preciso no momento certo que podemos detetar a doença numa fase inicial”.

TEM EXAMES DE RASTREIO OU DIAGNÓSTICO PARA FAZER?
Marque já o seu exame online. É muito simples!

Marcar exame

+ Fontes

  1. Direção Geral da Saúde.
  2. Liga Portuguesa Contra o Cancro da Mama.
  3. Recomendações nacionais para diagnóstico e tratamento do cancro da mama. Coordenação Nacional das Doenças Oncológicas.
Tags
Unilabs Autor Unilabs

Presente em Portugal desde 2006, a Unilabs é líder nacional em Diagnóstico Clínico, com mais de 1000 Unidades de atendimento ao seu dispor. Serviços: Análises Clínicas, Cardiologia, Anatomia Patológica, Radiologia, Genética Médica, Medicina Nuclear, Gastrenterologia.