A endoscopia digestiva alta é um procedimento que permite o diagnóstico e/ou tratamento de algumas doenças do esófago, estômago e duodeno.

A endoscopia digestiva alta consiste num exame que incide no tubo digestivo superior. Este procedimento é capaz de diagnosticar ou mesmo tratar certas patologias que atingem o esófago, estômago e o duodeno. A prescrição deste exame está prevista em casos específicos e devidamente sinalizados.

Apesar de algo desconfortável, este procedimento não implica dor e pode ser feito sem sedação, embora seja mais confortável com sedação. Além disso, apesar da preparação para este procedimento obrigue ao cumprimento de algumas recomendações, a sua recuperação é imediata e, geralmente, não há lugar a complicações.

Em seguida, explicamos-lhes quais as indicações para fazer este exame; a preparação prévia necessária; o passo a passo deste procedimento; e algumas complicações que podem decorrer da realização deste exame.

O que é a endoscopia digestiva alta?

A endoscopia digestiva alta, também tecnicamente designada como esofagogastroduodenoscopia, é um procedimento que permite visualizar o tubo digestivo superior, desde a boca até ao duodeno (porção inicial do intestino delgado).

Para isso, é usado um tubo flexível (endoscópio) que possui uma pequena câmara na extremidade e que transmite a imagem captada para um monitor.

O endoscópio é inserido na boca do doente, passando pela garganta, esófago, estômago e duodeno. Quando a endoscopia digestiva alta termina, o endoscópio volta a ser retirado pela boca do paciente.

Este exame permite diagnosticar e, em certos casos, tratar algumas doenças que atingem o esófago, o estômago e o duodeno 1.

Quais as indicações para fazer uma endoscopia digestiva alta?

A endoscopia digestiva alta serve, essencialmente, para investigar sintomas suspeitos; diagnosticar problemas de saúde; e tratar determinadas doenças.

Assim, este exame pode ser recomendado para 1:

  • explicar a origem de sintomas como dispepsia, azia, náuseas, vómitos, dor abdominal, dificuldade em deglutir ou hemorragia digestiva, sem causa conhecida;
    identificar as causas de anemia e de diarreia;
  • fazer a colheita de biópsias em mucosa inflamada, com pesquisa de Helicobacter pylori, por exemplo;
  • detetar tumores;
  • proceder à dilatação esofágica;
  • remover corpos estranhos;
  • fazer a excisão de pólipos;
  • proceder à fulguração de vasos anómalos (técnica utilizada para tratar pequenos vasos sanguíneos);
  • fazer injeção endoscópica de fármacos para controlo de hemorragias digestivas.

O que pode ser diagnosticado com este exame?

A endoscopia digestiva alta permite diagnosticar doenças que afetam o esófago, o estômago e o duodeno. Algumas dessas patologias podem ser:

  • Gastrite;
  • Doença celíaca;
  • Doença do refluxo gastroesofágico e esofagite;
  • Cancros do esôfago, estômago e esófago.

Mulher na sala de espera de uma clínica a ler um folheto

Qual a preparação para a endoscopia digestiva alta?

Ser sujeito a uma endoscopia digestiva alta obriga a alguma preparação prévia. Uma das medidas essenciais é estar em jejum durante, pelo menos, 6 a 8 horas antes de fazer este procedimento. Com este jejum, pretende-se garantir que o estômago fica completamente vazio.

Além disso, é também importante informar o médico gastrenterologista que lhe vai realizar o exame acerca da medicação que costuma fazer, sobretudo se tomar anticoagulantes ou antiagregantes plaquetários (nalguns cenários estes fármacos devem ser suspensos antes do procedimento, de acordo com indicação médica) 1.

Posso beber água antes da endoscopia?

Imediatamente antes, não. Pode beber-se água no dia da endoscopia, nomeadamente água para tomar alguma medicação e água açucarada, chá e sumos sem polpa.

Contudo, só se deve beber pequenas quantidades de água, sendo que essa ingestão só deve acontecer até 3 horas antes da realização do exame.

Endoscopia com ou sem anestesia?

A endoscopia digestiva alta é um exame que pode ser feito com ou sem anestesia. Apesar deste procedimento não ser considerado doloroso, pode suscitar o reflexo do vómito e da tosse em alguns pacientes, dificultando a realização deste exame. Nestes casos, a anestesia pode ser recomendada.

Habitualmente, é colocado um acesso venoso no dorso da mão ou no braço do doente, através do qual são administrados fluidos, fármacos anestésicos ou outros. Neste exame, o anestésico mais recorrentemente usado é o propofol, que pode ou não ser associado a outros fármacos. O propofol tem uma ação rápida e curta.

Cuidados a ter depois da endoscopia com sedação

Por questões de segurança, fazer este procedimento sob sedação endovenosa pode requerer vigilância durante cerca de 30 minutos a 1 hora, apesar da recuperação do doente demorar apenas breves minutos.

Além disso, em caso de anestesia, o doente não deve conduzir, nem ir trabalhar, após fazer o exame.

Não só no período imediatamente após o exame, como nos dois dias seguintes ao procedimento, é aconselhável fazer uma alimentação ligeira, evitando alimentos ricos em gordura, álcool, café e bebidas gaseificadas. Deve ainda reforçar a ingestão de água.

Cuidados a ter depois da endoscopia sem sedação

A endoscopia sem sedação não requer vigilância após o exame. Apesar de poder consumir alimentos 15 a 20 minutos após o fim da endoscopia, deve privilegiar alimentos de digestão fácil, com pouca gordura e fibra. Também deve reforçar a ingestão de água.

Procedimento endoscopia digestiva alta

Como se faz a endoscopia digestiva alta: o passo a passo

A endoscopia digestiva alta é um procedimento que segue algumas etapas. Fique a par do passo a passo.

  1. Coloca-se o doente deitado, geralmente em decúbito lateral esquerdo.
  2. Monitoriza-se o paciente, de modo a que o médico controle a respiração, a tensão arterial e a frequência cardíaca do doente.
  3. Administra-se ao doente medicação sedativa endovenosa ou aplica-se um spray anestésico na garganta do paciente, de modo a diminuir o desconforto associado a este exame. A sedação pode ir de uma simples sedação ligeira até uma anestesia geral.
  4. Pede-se ao doente para trincar um dispositivo de plástico (bocal), através do qual passa o endoscópio.
  5. Nos exames sem sedação, posteriormente, pede-se ao doente para que engula o tubo, de forma a que ele passe da garganta para o esófago. Ao longo do exame, o doente consegue respirar, mas não pode falar.
  6. Inicia-se o exame, durante o qual o médico pode gravar imagens para analisar posteriormente, sobretudo se detetar ou suspeitar de algumas anomalias.
  7. Introduzem-se outros instrumentos através do endoscópio para a concretização de procedimentos diagnósticos e terapêuticos, como, por exemplo, a remoção de pólipos, a colheita de biópsias ou a aplicação de fármacos para controlo de hemorragia, se for esta a finalidade do exame.
  8. No final do exame, remove-se, lentamente, o endoscópio pela boca do doente, e dá-se por concluído o exame 1.

A endoscopia digestiva alta é dolorosa?

A endoscopia digestiva alta não é dolorosa, mas pode provocar uma sensação transitória de vómito e falta de ar, no momento em que o doente tem de engolir o endoscópio.

A acumulação de ar, durante a realização do exame, também pode causar uma sensação de pressão gástrica e de enfartamento.

Quanto tempo demora o exame?

A duração da endoscopia digestiva alta varia em função dos procedimentos terapêuticos ou de diagnóstico realizados. Se for necessário fazer a colheita de biópsias em mucosa inflamada, por exemplo, é provável que o exame demore mais tempo. Ainda assim, uma endoscopia, em média, pode durar entre 5 a 20 minutos.

TEM INDICAÇÃO PARA UMA ENDOSCOPIA ALTA? Não adie.
Marque online, é muito simples!



Marcar agora

Quais as complicações associadas à endoscopia digestiva alta?

No geral, a endoscopia digestiva alta é um procedimento bastante seguro, com um risco de complicações inferior a 0,1% e risco de morte inferior a 1 em 10.000 procedimentos.

É possível sentir dor depois da endoscopia, assim como flatulência, cólicas abdominais e desconforto a nível da garganta.

Ainda assim, após a realização deste exame, o doente deve estar atento a alguns sinais de alerta, como febre, dor torácica, dificuldade respiratória, fezes negras, dor abdominal severa e persistente, vómitos e/ou dificuldade em deglutir.

Todos estes sintomas carecem de observação médica. A dor no estômago, após endoscopia com biópsia, também exige ser avaliada por um médico.

As complicações associadas a este exame, apesar de raras, podem ocorrer. Fique a conhecer algumas delas 1.

Reações adversas à sedação endovenosa

Como referimos, o paciente sujeito a uma endoscopia digestiva alta pode ser sedado. Apesar de ser um procedimento seguro, há doentes que, devido à sedação endovenosa, podem registar reações adversas. Entre esses efeitos secundários podem estar complicações cardiopulmonares.

Hemorragia

Apesar de geralmente não haver esta complicação, há casos onde pode haver lugar a hemorragias. Contudo, este risco de hemorragia é maior em endoscopias em que são feitos procedimentos diagnósticos ou terapêuticos, como colheita de biópsias, excisão de pólipos ou dilatação esofágica.

Laceração e perfuração do tubo digestivo superior

O risco de laceração e de perfuração são complicações raras, mas que podem acontecer, sobretudo a nível esofágico. Este efeito adverso é mais comum, quando se realiza dilatação esofágica ou resseção de pólipos de grandes dimensões. Esta complicação exige internamento hospitalar.

Infeção

O risco de infeção, devido à endoscopia, é superior quando são realizados procedimentos adicionais, além dos diagnósticos, como é o caso, por exemplo, da dilatação esofágica; remoção de corpos estranhos; excisão de pólipos; fulguração de vasos anómalos. Todas estas situações são tratadas com antibióticos.

Onde posso fazer uma endoscopia digestiva alta?

Apesar de, à primeira vista, este poder parecer um exame doloroso, a sedação permite que este procedimento seja feito de forma tranquila, sem causar dor.

Além disso, como vimos, este exame pode ser essencial no diagnóstico e/ou no tratamento de certas doenças. Portanto, se o seu médico recomendou a realização deste procedimento, não deve adiar a sua marcação.

A Unilabs dispõe de uma vasta gama de serviços e de exames de gastrenterologia, entre os quais se encontra a endoscopia digestiva alta. Este exame tem acordo com a ARS e várias seguradoras e pode fazer pedido de marcação online.

+ Fontes

  1. Sociedade Portuguesa de Endoscopia Digestiva. Endoscopia digestiva alta. Disponível em: https://www.sped.pt/index.php/42-publico/exames-endoscopicos/endoscopia-digestiva-alta/122-endoscopia-digestiva-alta
Tags
Unilabs Autor Unilabs

Presente em Portugal desde 2006, a Unilabs é líder nacional em Diagnóstico Clínico, com mais de 1000 Unidades de atendimento ao seu dispor. Serviços: Análises Clínicas, Cardiologia, Anatomia Patológica, Radiologia, Genética Médica, Medicina Nuclear, Gastrenterologia.