A saúde nunca deve ser esquecida e numa pandemia muito menos. Monitorizar a saúde em tempo de COVID-19 é importante para evitar possíveis complicações.

As doenças crónicas são um dos maiores problemas de saúde pública, a nível mundial, um facto que continua a estar presente mesmo em tempo de pandemia. Continuar a monitorizar a saúde em tempo de COVID-19 é essencial para manter estas doenças devidamente controladas e evitar complicações graves, no caso de ser infetado pelo SARS-CoV-2.

Nos grupos de risco da COVID-19 estão, precisamente, os doentes crónicos (com doença cardíaca, pulmonar, oncológica, hipertensão arterial ou diabetes), o que significa que, nestas pessoas, a infeção pelo novo coronavírus pode configurar um quadro mais severo, principalmente se estes indivíduos se encontrarem descompensados 1.

Como deve um doente crónico continuar a monitorizar a saúde em tempo de COVID-19

Além dos cuidados que todos devemos ter, como lavar frequentemente as mãos, cumprir a etiqueta respiratória e manter o distanciamento social, há ainda medidas adicionais que, de acordo com a Direção-Geral da Saúde, os doentes crónicos devem adotar. São elas:

  • Evitar o contacto com pessoas doentes;
  • Reduzir ao mínimo os contactos sociais;
  • Diminuir as saídas de casa ao estritamente necessário, usando sempre máscara nessas deslocações ao exterior;
  • Se tiver algum sintoma suspeito de COVID-19, deve ligar de imediato para a linha SNS 24 (808 24 24 24).

Duas vizinhas a conversar na rua usando máscara

Cuidados em caso de doenças cardiovasculares

De acordo com a Sociedade Portuguesa de Cardiologia, os indivíduos com patologias cardiovasculares possuem mais 10,8% de risco de complicações, em caso de infeção pelo novo coronavírus. Logo, é importante que estes doentes tomem cuidados específicos e mantenham o seu problema de saúde vigiado e controlado 2.

Assim, as pessoas com doenças cardiovasculares devem:

  1. Lavar regularmente as mãos.
  2. Sair de casa apenas para as deslocações estritamente necessárias.
  3. Reduzir ao mínimo o contacto com outras pessoas, respeitando sempre o distanciamento físico.
  4. Desinfetar bem as superfícies e objetos, mesmo em casa.
  5. Controlar diariamente a sua temperatura corporal e a de todo o agregado familiar.
  6. Comer de forma equilibrada e saudável.
  7. Fazer um sono reparador.
  8. Evitar o stress.
  9. Evitar deslocar-se ao hospital ou centro de saúde, privilegiando meios de contacto alternativos, como a chamada telefónica ou o email.
  10. Pedir a recomendação do seu médico acerca da toma das vacinas para o vírus da gripe (influenza) e para a pneumonia bacteriana.

Cuidados em caso de doença respiratória crónica

A Fundação Portuguesa do Pulmão (FPP) destaca a relevância das pessoas com doença respiratória crónica usarem máscara, mesmo nos locais e espaços em que não seja obrigatória, como é o caso da rua ou de sítios ao ar livre. Principalmente em situações de ajuntamentos, a máscara é fundamental, segundo a FPP 3.

No que respeita particularmente à asma e à rinite alérgica, a Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC) afirma que, mais do que nunca, é fundamental manter estas doenças controladas, de forma a evitar complicações mais graves, em caso de infeção pelo novo coronavírus.

Assim, de acordo com a SPAIC, as pessoas com estas patologias devem cumprir as medidas gerais de prevenção do contágio pela COVID-19, como lavar frequentemente as mãos e manter o distanciamento físico, mas também cumprir com rigor a sua terapêutica, ou seja, respeitar as doses e os horários recomendados pelo médico para o seu tratamento preventivo diário.

Caso haja lugar a alguma crise, os doentes devem contactar o seu médico e/ou reforçar a medicação, de acordo com as indicações do especialista, evitando sempre a ida presencial a hospitais 4.

Homem a tomar medicação

Cuidados em caso de diabetes

A Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal (APDP) alerta para a necessidade de manter a diabetes controlada e compensada, de forma a evitar complicações, em caso de infeção pelo novo coronavírus.

Para isso, a APDP aconselha todos os diabéticos a 5:

  1. Cumprirem todas as indicações clínicas do médico.
  2. Hidratarem-se bem.
  3. Controlarem regularmente os seus níveis de glicemia e a sua temperatura corporal.
  4. Controlarem frequentemente os corpos cetónicos, no caso das pessoas com diabetes tipo 1.
  5. Terem em casa algum stock de medicação (para a diabetes e outras), de modo a não ficarem desprevenidos

Cuidados em caso de doença oncológica

O Instituto Português de Oncologia de Lisboa também redigiu alguns conselhos para doentes oncológicos ou pessoas que são acompanhadas nesta instituição de saúde. Algumas dessas recomendações passam por 6:

  1. Lavar correta e frequentemente as mãos.
  2. Usar máscara cirúrgica sempre que sair de casa ou quando estiver em contacto com outras pessoas.
  3. Evitar o contacto com muitas pessoas, sobretudo se estiverem doentes.
  4. Sair de casa só quando for mesmo necessário, evitando a ida a locais fechados.
  5. Controlar a temperatura corporal duas vezes ao dia.
  6. Contactar a linha SNS24 (808 24 24 24), em caso de sintomas de infeção respiratória

Proteção social para doentes crónicos em tempos de pandemia

No contexto da atual pandemia da COVID-19, foi definido no Decreto-Lei n.º20/2020 que os doentes crónicos (doentes cardiovasculares, oncológicos, portadores de doença respiratória crónica e de insuficiência renal) e imunodeprimidos estão abrangidos pelo regime excecional de proteção laboral, que permite faltar ao trabalho com a apresentação de uma declaração médica que ateste a condição de saúde do trabalhador e que justifique a sua especial proteção no âmbito da pandemia.

Os doentes diabéticos e hipertensos também estão abarcados por este regime excecional, mas só em caso de ser comprovado que o paciente se encontra descompensado 7.

Apesar das precauções especiais que os doentes crónicos devem ter com a COVID-19, para evitar a infeção pelo novo coronavírus, ficou clara a importância de continuar a monitorizar a sua saúde em tempo de COVID-19.

Mais do que nunca, é essencial cumprir com a terapêutica, manter contacto com a equipa médica que o acompanha, e, sempre que necessário, recorrer aos serviços de saúde, privilegiando primeiramente a chamada telefónica ou o email.

O agravamento destas doenças e a sua descompensação e descontrolo são a principal causa de complicações. Portanto, mantenha os seus problemas de saúde vigiados e siga sempre as recomendações do seu médico.

 

EM INDICAÇÃO MÉDICA PARA FAZER UM EXAME? NÃO ADIE.
Faça já a sua marcação online. É muito simples.

Marcar Exame

+ Fontes

  1. Serviço Nacional de Saúde. Grupos de risco. Disponível em: https://www.sns24.gov.pt/tema/doencas-infecciosas/covid-19/grupos-de-risco/
  2. Ribeiras, Regina. Posicionamento da SPC relativamente aos doentes cardiovasculares no contexto da pandemia por Covid-19. Sociedade Portuguesa de Cardiologia. Disponível em: https://spc.pt/2020/03/15/posicionamento-da-spc-relativamente-aos-doentes-cardiovasculares-no-contexto-da-pandemia-por-covid-19/
  3. Fundação Portuguesa do Pulmão. Pandemia SARS-Cov-2, O que fazer agora? Disponível em: https://www.fundacaoportuguesadopulmao.org/destaques/conteudos/pandemia-sars-cov-2-o-que-fazer-agora/
  4. Quadros de asma não controlada podem tornar-se mais graves em caso de infeção por COVID-19. Disponível em: https://www.spaic.pt/media/atlas-da-sa-de-quadros-de-asma-n-o-controlada-podem-tornar-se-mais-graves-em-caso-de-infec-o-por-covid-19
  5. Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal. Coronavírus e Diabetes. Disponível em: https://apdp.pt/coronavirus-e-diabetes/
  6. Instituto Português de Oncologia. Recomendações para doentes do IPO Lisboa. Disponível em: https://www.ipolisboa.min-saude.pt/recomendacoes-para-doentes-do-ipo-lisboa/
  7. Serviço Nacional de Saúde. Covid-19. Diabéticos e hipertensos. Disponível em: https://www.sns.gov.pt/noticias/2020/05/06/covid-19-diabeticos-e-hipertensos/
Unilabs Autor Unilabs

Presente em Portugal desde 2006, a Unilabs é líder nacional em Diagnóstico Clínico, com mais de 1000 Unidades de atendimento ao seu dispor. Serviços: Análises Clínicas, Cardiologia, Anatomia Patológica, Radiologia, Genética Médica, Medicina Nuclear, Gastrenterologia.