Pessoas com mais de 70 anos fazem parte dos chamados grupos de risco e há cuidados que não devem descurar. Em tempo de COVID-19, há que proteger os idosos.

Assim que se começou a saber mais acerca da pandemia por COVID-19, informações sobre os sintomas e grupos de risco foram divulgadas pelas autoridades de saúde nacionais e internacionais, como a Organização Mundial da Saúde ou a Direção-Geral da Saúde, por exemplo.

Entre os grupos de risco, a população idosa destacou-se de imediato, como aquela com quadros mais severos de infeção pelo novo coronavírus, resultando muitas vezes em morte. Isso mesmo é comprovado pelas taxas de mortalidade de vários países, mais proeminentes entre a população com mais de 70/80 anos. Perceba, então, a relação entre os idosos e COVID-19.

Idosos e COVID-19: recomendações para o grupo de risco

Segundo o Serviço Nacional de Saúde, todos os indivíduos com mais de 70 anos fazem parte dos chamados grupos de risco da COVID-19. As principais razões estão associadas à sua idade avançada, sistema imunitário mais frágil e maior número de morbilidades.

Assim, estas pessoas, em particular, devem praticar o isolamento domiciliário, ausentando-se do domicílio somente para ir ao banco, aos correios, ao supermercado, ao centro de saúde, para passear por breves minutos, adotando sempre as medidas de higiene e segurança 1.

Idoso com máscara na janela de casa

COVID-19 e idosos em casa: os cuidados a ter

O isolamento domiciliário é, provavelmente, o desafio mais difícil para qualquer sénior. Apesar de ser uma das principais maneiras de evitar a contaminação dos idosos pelo novo coronavírus, também é verdade que a solidão, o afastamento da família e dos amigos e a quebra de rotinas pode ter consequências muito nefastas, sobretudo em termos da saúde mental dos mais velhos 2.

Embora, o nosso país já não se encontre em Estado de Emergência, a realidade é que os grupos de risco devem, ainda, ter cuidados especiais e evitar ao máximo sair de casa.

 Os cuidados que um sénior em isolamento deve ter

Nunca é demais seguir as orientações da Ordem dos Psicólogos e deixar algumas dicas sobre como o idoso deve lidar com a sua situação de isolamento2:

  • Manter-se informado, mas com moderação, não estando sempre a consumir notícias e privilegiando fontes oficiais, como Organização Mundial da Saúde, Serviço Nacional de Saúde ou Direção-Geral da Saúde;
  • Estar atento à sua saúde e, em caso de sintomas compatíveis com COVID-19, contactar de imediato a linha de Saúde 24 (808 24 24 24);
  • Fazer regularmente chamadas ou videochamadas com familiares e amigos;
  • Pedir ajuda, sempre que for necessário, quer a familiares e amigos, quer a linhas de apoio, como as criadas pelas juntas de freguesia, por exemplo;
  • Tomar sempre a sua medicação habitual;
  • Estabelecer rotinas e horários saudáveis e hábitos de higiene pessoal cuidados;
  • Fazer atividades divertidas que exercitem o corpo.

Os cuidados que um familiar/amigo de um sénior em isolamento deve ter

A Ordem dos Psicólogos também deixa recomendações a quem conhece idosos em situação de isolamento, devido à prevenção da COVID-19. Entre elas, estão 2:

  • Ligar regularmente e mostrar-se disponível para o ajudar, criando uma espécie de rede de apoio, de modo a que o idoso se sinta menos sozinho;
  • Disponibilizar-lhe meios tecnológicos que possam ajudá-lo a comunicar e a passar o tempo;
  • Manter-se vigilante, relativamente ao estado de saúde e bem-estar do sénior;
  • Estar atento ao cumprimento da medicação feita pelo sénior;
  • Estimular o sénior a fazer exercício físico e a alimentar-se de maneira saudável.

Idosos e COVID-19: a importância da alimentação

Em qualquer idade e pessoa, um mau estado nutricional pode contribuir para um pior prognóstico em caso de COVID-19, o que acarreta mais complicações e riscos.

Para fazer uma alimentação equilibrada e adequada à faixa etária e estado de saúde, deve seguir-se a Roda dos Alimentos e, particularmente no caso dos idosos 3:

  1. Ingerir todos os dias 500ml de leite e/ou derivados.
  2. Comer, diariamente, 2 a 3 peças de fruta.
  3. Consumir leguminosas (feijão, grão, ervilhas, lentilhas…).
  4. Incluir uma sopa rica em vitaminas e minerais nas suas refeições.
  5. Variar entre o consumo de carne, pescado ou ovos.
  6. Beber 1,5/2 litros de água, por dia.
  7. Reforçar a ingestão de alimentos ricos em vitamina D (devido à menor exposição solar), como salmão, ovos, leite e derivados.

Casal a passear na rua com máscara

Idosos e COVID-19: esclarecemos as suas dúvidas

A partir do momento em que Portugal passou de uma Situação de Calamidade para um Estado de Alerta, houve medidas de desconfinamento implementadas que, gradualmente, foram abrindo espaços e serviços e, assim, aumentando o número de pessoas a circular na rua.

E a população de risco, como os idosos? Deve pôr em prática esse mesmo desconfinamento ou manter-se isolado?

Os idosos podem sair de casa?

Na apresentação do plano para o desconfinamento, o Governo diminuiu as restrições à circulação, mas destacou o dever cívico de recolhimento.

Em termos legais, os séniores mantêm os mesmos direitos, ou seja, ir ao banco, aos correios, ao supermercado, ao centro de saúde e passear por breves minutos 1.

Porém, de acordo com Ricardo Mexia, médico de Saúde Pública do Departamento de Epidemiologia do Instituto Ricardo Jorge e presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública (ANMSP), os idosos devem evitar muitas destas atividades, se tiverem familiares, vizinhos, amigos ou voluntários que lhes possam poupar essas saídas.

Os idosos podem estar com os netos?

Esta questão já foi colocada à Diretora-Geral da Saúde, Graça Freitas. A resposta depende, essencialmente, dos avós em questão, ou seja, da sua faixa etária e morbilidades.

Pessoas com mais de 65 anos e com patologias associadas devem evitar o contacto próximo com pessoas exteriores ao seu agregado familiar e manter precauções como distanciamento social, higienização das mãos, etiqueta respiratória e utilização de máscaras (mesmo no contacto com os netos).

Os idosos que vivem em lares podem receber visitas?

Desde o dia 18 de maio, os idosos institucionalizados já podem receber visitas de familiares, ainda que seguindo algumas normas de higiene e segurança, tais como 4:

  • Agendar previamente as visitas;
  • Cumprir todas as medidas de distanciamento físico (2 metros), etiqueta respiratória e higienização das mãos;
  • Não exceder os 90 minutos de visita;
  • Haver, apenas, um visitante por semana, por utente;
  • Levar máscara (os visitantes);
  • Não levar objetos ou alimentos do exterior para o idoso.

Num momento tão delicado como aquele em que vivemos, é importante que as pessoas com mais de 70 anos de idade reduzam ao mínimo a exposição ao vírus. Ficar em casa, tomar precauções simples (como lavar as mãos frequentemente) e reduzir o contacto com outras pessoas, inclusive com a família próxima, são outras das medidas de segurança a não descurar.

Enquanto filhos, netos, cuidadores, devemos prestar todo o apoio de que necessitem: telefonar-lhes diariamente, comprar medicamentos, ir ao supermercado e relembrá-los que devem manter as suas rotinas diárias em casa. O mais importante é que se sintam apoiados, seguros e acarinhados.

TEM INDICAÇÃO MÉDICA PARA UM EXAME? NÃO ADIE.
Faça já a sua marcação online. É muito simples.

Fazer marcação

+ Fontes

  1. Serviço Nacional de Saúde. Grupos de risco. Disponível em: https://www.sns24.gov.pt/tema/doencas-infecciosas/covid-19/grupos-de-risco/#sec-0
  2. Como lidar com uma situação de isolamento se for um cidadão sénior (ou seu familiar). Ordem dos Psicólogos. Disponível em: https://www.ordemdospsicologos.pt/ficheiros/documentos/covid_19_seniores.pdf
  3. COVID-19 e estado nutricional dos idosos. Direção Geral da Saúde. Disponível em: https://nutrimento.pt/noticias/covid-19-e-estado-nutricional-dos-idosos/
  4. COVID-19: FASE DE MITIGAÇÃO. Visitas a Estruturas Residenciais para Idosos (ERPI), Unidades de Cuidados Continuados Integrados (UCCI) da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) e outras respostas dedicadas a pessoas idosas. Disponível em: https://www.dgs.pt/normas-orientacoes-e-informacoes/informacoes/informacao-n-0112020-de-11052020-pdf.aspx
Unilabs Autor Unilabs

Presente em Portugal desde 2006, a Unilabs é líder nacional em Diagnóstico Clínico, com mais de 1000 Unidades de atendimento ao seu dispor. Serviços: Análises Clínicas, Cardiologia, Anatomia Patológica, Radiologia, Genética Médica, Medicina Nuclear, Gastrenterologia.