O glúten é um conjunto de proteínas vegetais que conferem capacidade de absorção de água, viscosidade e elasticidade às farinhas que as contêm.
As proteínas do glúten são ricas em prolinas e glutaminas, as quais são deficientemente digeridas ao nível do trato gastrointestinal, sendo a gliadina a principal componente tóxica para indivíduos susceptíveis. A esta condição dá-se o nome de doença celíaca.

Sintomas da doença celíaca

A doença celíaca costuma dar os seus primeiros sinais entre o primeiro e terceiro ano de vida, período em que muitos dos cereais são introduzidos na dieta das crianças.
Contudo, em alguns casos, só acontece na vida adulta, quando o indivíduo já apresenta carências nutricionais graves, pela falta de sintomas específicos.
Entre os sintomas mais frequentes estão:

  • Diarreia prolongada (mais de 3 semanas);
  • Desconforto abdominal;
  • Vómitos;
  • Irritabilidade;
  • Falta de apetite;
  • Má progressão de peso;
  • Atraso de crescimento;
  • Obstipação.
desconforto-abdominal doenca celiaca

Dieta sem glúten: moda ou facto

Nos últimos anos tem-se falado um pouco mais da dieta sem glúten, mas não necessariamente da doença celíaca. Talvez por existir um maior acesso à internet e às redes sociais, a informação que muitas vezes é tida como certa não passa de um mito, e transforma-se rapidamente numa “moda” sem qualquer fundamento científico.

Importa recordar que a suspeita da presença da doença com base nos sintomas, não é suficiente para estabelecer o diagnóstico definitivo.

Os critérios para diagnóstico da doença celíaca estão definidos há vários anos e são periodicamente revistos. Estes passam pela realização de testes sanguíneos (determinação de anticorpos específicos para a doença celíaca) e confirmação com biópsia jejunal.

DESTAQUE

FAÇA UMA UROCULTURA NOS LABORATÓRIOS UNILABS
Encontre a Unidade mais próxima de si

Pesquisar

Doença celíaca: alimentos a evitar

A dieta isenta de glúten baseia-se na exclusão dos cereais trigo, cevada, centeio e aveia (ainda que seja isenta de glúten é frequentemente plantada nos mesmos terrenos e processada nas mesmas máquinas que outros cereais, podendo ocorrer contaminação cruzada) da alimentação.

Para além das fontes óbvias como o pão, as tostas, as massas ou os produtos de confeitaria e pastelaria, o glúten pode encontrar-se numa grande variedade de outros produtos alimentares, nomeadamente molhos e temperos, sopas instantâneas, sobremesas, cafés e chás aromatizados, queijos fundidos, produtos à base de carne (como por exemplo, produtos de charcutaria), de pescado ou frutos do mar (por exemplo, panados de peixe).

Qualquer referência na rotulagem aos cereais proibidos e aos seus derivados ou designações como, por exemplo, espessantes, malte, extrato de malte, amido modificado, emulsionantes, estabilizantes, proteínas vegetais, proteínas vegetais hidrolisadas e goma vegetal devem levar os doentes celíacos a rejeitar o produto.

pao sem gluten

Tratamentos adequados a doentes celíacos

O único tratamento cientificamente provado para a doença celíaca consiste em efetuar uma dieta isenta em glúten, que tem de ser cumprida de forma rigorosa durante toda a vida.
Há evidência de que pequenas quantidades de glúten na dieta não causam qualquer sintoma imediato no doente, embora lesem a mucosa intestinal, aumentando o risco de algumas doenças.

Conclusões

Nos últimos anos, a oferta e a variedade de alimentos específicos sem glúten têm aumentado, incluindo pão, tostas, bolos, bolachas, pizzas, massas, sobremesas, refeições pré-cozinhadas e também farinhas adequadas para confecção caseira.
Reconhece-se, atualmente, que a doença celíaca pode ser diagnosticada em qualquer idade e afeta múltiplos sistemas de órgãos.
Embora não se conheça a sua real prevalência, estima-se que, em Portugal, afete quase 1% da população, sabendo-se, todavia, que existirão vários casos por diagnosticar.

Powered by Prozis

+ Fontes

  1. Mahan L, Escott-Stump S. 2010. Krause– Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. 12ª edição. Saunders Elsevier.
  2. Associação Portuguesa de Celíacos. 2014. http://www.celiacos.org.pt/
  3. Rostom A, et al. 2006. American Gastroenterological Association (AGA), Institute Technical Review on the Diagnosis and Management of Celiac Disease. Gastroenterology; 131:1981-2002.
  4. Martins AP et al. 2012. Doença Celíca – O estado da arte. Revista Nutrícias 12:26-39.
  5. Fasano A, et al. 2003. Prevalence of Celiac Disease in At-risk and Not-at-risk groups in the United States. Archives of Internal Medicine 163:286-292.
  6. Dubé C et al. 2005. The Prevalence of Celiac Disease in average-risk and at-risk Western European Populations: a Systematic Review. Gastroenterology 128:S57-S67.
  7. Mustalahti K, et al. 2010. The prevalence of celiac disease in Europe: Results of a centralized, international mass screening project. Annals of Medicine 42(8):587-595.
  8. Tack GJ, et al. 2010. The spectrum of celiac disease: epidemiology, clinical aspects and treatment. Nature Reviews Gastroenterology and Hepatology 7:204-213.
  9. Antunes H, et al. 2006. Primeira determinação de prevalência de doença celíaca numa população portuguesa. Acta Médica Portuguesa 19:115-120.
  10. Murray JA, et al. 2003. Trends in the identification and clinical features of celiac disease in a North American community, 1950-2001. Clinical Gastroenterology and Hepatology 1(1):19-27.
  11. Cerqueira RM, et al. 2010. Celiac disease in Portuguese children and adults with Down syndrome. European Journal of Gastroenterology & Hepatology 22:868-871.
  12. Fasano A. 2006. Systemic Autoimmune Disorders in Celiac Disease. Current Opinion in Gastroenterology 22(6):674-679.
  13. Raymond N, et al. 2006. The gluten-free diet: an update for health professionals. Practical Gastroenterology 30:67-92.
  14. See J, et al. 2006. Gluteen-free diet: The Medical and Nutrition management of celiac disease. Nutrition in Clinical Practice; 21 (1): 1-22.
  15. Niewinski M. 2008. Advances in Celiac Disease and Gluten Free Diet. Journal of the American Dietetic Association; 108:661-672.
  16. Santini L. 2010. The Gluten-free diet: Safety and Nutritional Quality. Nutrients; 2: 16-34.
  17. Lee A, et al. 2007. Economic burden of a gluten-free diet. Journal of Human Nutrition and Dietetics; 20: 423-430.
  18. Singh J, et al. 2011. Limited availability and higher cost of gluten-free foods. Journal of Human Nutrition and Dietetics; 24: 479-486.
  19. Diana S. 2011. Receitas sem glúten, sem proteínas do leite de vaca e outras receitas. 1ª Edição. Lusoimpress-Artes Gráficas, Lda.
  20. Rodrigues S et al. 2006. A New Food Guide for the Portuguese Population. Journal of Nutrition Education and Behavior; 38: 189 -195
Eunice Jorge Autor Eunice Jorge

Nutricionista (CP 2723N) na equipa Prozis Partners. Licenciada em Ciências da Nutrição pela Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto e certificada em Nutrição Desportiva.